Madeiras para o Tampo | Pepineli Luthier
Luthier, luthier sp, luthier São Paulo, violão folk, violão martin, violão clássico, viola caipira, cavaquinho,
545
post-template-default,single,single-post,postid-545,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive
 

Madeiras para o Tampo

Madeiras tampo Folk

Madeiras para o Tampo

Existem muitas opções de madeiras para o tampo, e sempre tem gente fazendo testes com novas madeiras para esta função.

Infelizmente eu não vou poder me profundar muito em todos estes tipos de madeiras existentes, neste post eu vou me prender basicamente às que mais utilizamos, e também em alguns fatores técnicos que auxiliam na estrutura de cada um deles, bem como sua influência no timbre.

 

Pinho

Para começar, vamos falar da mais utilizada.

Existem muitas variações de Pinho, e a grande diferença entre eles, além de sua origem, é o desenho dos veios, e em sua dureza. Os que mais utilizamos são: Abeto Alemão e Sitka.

Abeto Alemão: Seu aspecto é bem uniforme, com veios finos e claros, visualmente ela é quase branca de tão clarinha. Ela oferece um som bem equilibrado, e utilizamos com mais frequência em Violões Clássicos.

Sitka: Ela é mais desenhada que o Abeto Alemão, esse desenho na verdade são os veios dela que geralmente são ligeiramente mais grossos e escuros, visualmente ela é mais roseada, perfeita para o aspecto “Vintage” nos instrumentos. Geralmente aplicamos corante Mel sobre ela para que sua cor fique ainda mais viva e puxada para o tom de desgaste natural. Ela oferece um som equilibrado também, porém pelo fato dela ser mais dura, um pouco mais puxado para o agudo e brilhante. Quando seus veios são mais largos, pode oferecer um timbre mais grave também.

 

Cedro Canadense

Esta madeira tem o aspecto bem uniforme também, com veios ligeiramente mais escuros e finos, visualmente ela é clara, mas puxada levemente para o marrom. Se trabalhada com sua cor natural, ela fica num tom mais puxado para o marrom. É possível reforçar seu tom com corante também, mas normalmente trabalhamos ela no tom original que já aparenta mais idade quando terminamos o instrumento. Fato que também é verdade quando falamos de timbre, ela geralmente estagia mais rápido, então na questão do tempo existe pouca variação de seu timbre. Quanto ao som, ela é uma madeira mais “mole” que o Pinho, então seu som é mais opaco e puxado para o grave, tudo muito sutil, pois ainda depende da arquitetura interna que nós Luthiers fazemos de instrumento para instrumento. Acho importante o cliente sempre ver pessoalmente algum instrumento feito com esta madeira antes de escolhe-la pois visualmente pode não agradá-lo. Mas duvido que seu timbre não agrade.

 

Mogno

Ultimamente temos recebido muitas cotações para violões Folk com Mogno no Corpo e também no Tampo.

Esta é uma madeira mais utilizada para Corpo pois ela é densa demais, o que dificulta um pouco para equilibrar seu timbre. Geralmente compensamos com a arquitetura dele, travando menos o médio e librando mais o grave. Assim o instrumento tem um “rouquidão” peculiar, e seu timbre fica mais obscuro.

Sua tonalidade é alaranjada, e no caso de grandes marcas como a Martin, eles carregam com muito corante para levar o tom para algo entre o vinho e o marrom, com aspecto bem envelhecido. A gente não abusa tanto do corante como vocês podem ver com nossa sessão de Violões Folk aqui no site, o que deixa ele muito mais próximo do tom original da madeira.

 

 

Existem dezenas de outras madeiras utilizadas para este fim, e nós estamos abertos a utilizá-las, como já fizemos muitas vezes aqui no ateliê, mas dedicamos o post apenas às que mais utilizamos. Nos mande sua pergunta que teremos o maior prazer em respondê-la e esclarecer suas dúvidas.

Você nos encontra nas redes sociais linkadas aqui no site, ou pela área de Contato.

No Comments

Post A Comment